Incorporando uma corporação do Panamá: o guia completo

Uma empresa panamenha é um veículo ideal para aqueles que desejam conduzir negócios em uma jurisdição com políticas fiscais favoráveis ​​e fortes proteções à privacidade corporativa.

O processo de constituição de uma empresa no Panamá é simples, com formalidades mínimas. A entidade passa a existir legalmente quando dois assinantes, independentemente da nacionalidade, depositam o Contrato de Sociedade no Registro Público.

No entanto, é importante notar que é necessária autorização adicional das autoridades competentes para utilizar a entidade para fins comerciais e industriais.

O guia a seguir procura fornecer uma perspectiva abrangente não apenas sobre os aspectos legais que levam à incorporação, mas também sobre as muitas maneiras pelas quais ela pode ser aproveitada e as considerações pós-registro.

Corporação panamenha e seus principais usos

Uma sociedade anônima é, entre outras, um tipo de entidade empresarial que pode ser registrada no Registro Público do Panamá após o cumprimento de uma série de formalidades legais nos termos da Lei 32 de 1927. Embora a designação oficial deste tipo de entidade seja chamada localmente de “ Sociedad Anonima” (Sociedade Anônima), às vezes é chamada de International Business Company (IBC).

É considerado um tipo de entidade padrão no Panamá e elegível para uso local e internacional, ou seja, a incorporação offshore não possui uma variante de entidade separada. Esta é uma característica relativamente única que poucas outras jurisdições offshore possuem.

É usado principalmente para atividades comerciais como negociação comercial, participações imobiliárias, planejamento tributário estratégico em repatriações offshore e separação da responsabilidade dos acionistas de transações comerciais de alto risco.

Além disso, está a rede de tratados fiscais que mantém com outras economias prósperas, como o Japão, a Bélgica, o Reino Unido, o Canadá, etc., o que permite que os cidadãos dessas jurisdições recebam maior proteção da privacidade ao formar uma empresa no Panamá.

Canal Off Shore

Por que você deve incorporar no Panamá

Incentivos fiscais

A eficiência fiscal é uma marca obrigatória em todas as jurisdições offshore, e o Panamá não é exceção. O país adota uma abordagem territorial em matéria de tributação, apenas os rendimentos de origem nacional serão tributados (a uma taxa fixa de 25% após dedução de impostos), independentemente de a entidade ter ou não residência no Panamá.

Observe que o status de domiciliação de uma entidade empresarial só é relevante ao avaliar sua elegibilidade para imposto retido na fonte (WHT).

As empresas que operam em qualquer zona franca, como a Área Econômica Especial (PSEA) do Panamá-Pacífico (Pacífico) ou a Zona Franca de Cólon (CFZ), podem desfrutar de várias formas de benefícios fiscais. Cada zona tem a sua abordagem para promover o comércio que, como resultado, emprega um conjunto diferente de benefícios fiscais entre si para alcançá-lo.

Confidencialidade e proteção de ativos

Existe um conceito denominado “véu corporativo” que é o mecanismo de proteção que a Sociedade pode proporcionar aos seus acionistas. Especificamente, os bens pessoais dos acionistas estão protegidos contra litígios e apreensões governamentais, uma vez que a empresa é uma entidade jurídica separada com a mesma capacidade de assumir deveres e direitos.

Outra contrapartida não geradora de renda para o tipo de entidade é uma PIF (Private Interest Foundation), uma escolha igualmente popular para aqueles que procuram maior proteção de ativos e planejamento patrimonial com o benefício adicional de contornar legalmente o CFC (Corporações Estrangeiras Controladas) de seu país de origem. lei.

Embora não conduza diretamente nenhuma atividade empresarial, detém ações de outra empresa atualmente em operação. Também pode participar em quaisquer atividades financeiras que sirvam para reforçar o valor dos seus ativos, o que significa que pode possuir contas bancárias, contas de corretagem de valores mobiliários e muito mais.

Elevada solidez fiscal

Dado que o Panamá tem um sistema bancário descentralizado, ou seja, não existe um banco central, não existem controlos cambiais, o que significa que não há limite para as remessas monetárias para o exterior, incluindo dividendos, juros, lucros de filiais e royalties.

O balboa é a moeda oficial do estado utilizada para transacções, indexada a 1:1 em relação ao dólar americano, solidificando ainda mais a sua estabilidade fiscal face a quaisquer crises financeiras globais e mantendo a inflação tão baixa quanto possível.

Canal Off Shore –
investimento offshore

Como uma empresa é registrada no Panamá

Detalhes corporativos

Assinantes. Conforme mencionado anteriormente, pelo menos dois indivíduos desta denominação devem estar presentes para iniciar o processo de registo. Além disso, não há exigência de que eles sejam cidadãos/residentes do Panamá. Os assinantes têm legalmente o direito de possuir uma ação da empresa, que será renunciada após a conclusão do registro por meio da assinatura de um documento.

Diretores. Espera-se que no mínimo três diretores (tesoureiro, secretário e presidente), podem ser pessoas físicas ou jurídicas, estejam em vigor após a constituição da corporação. Seus nomes e endereços também devem ser arquivados no Registro Público. Um Serviço de Diretores Nomeados também é uma boa opção se o anonimato precisar ser mantido. As reuniões podem ser organizadas para ocorrer em qualquer lugar do mundo, conforme estabelecido no Estatuto Social.

Acionista(s) . Pelo menos um acionista, seja pessoa física ou jurídica, deve estar presente após a constituição para receber a emissão de uma ação.

Agente residente/agente registrado. Todas as empresas registradas no Panamá devem recrutar agentes residentes na forma de advogado ou escritório de advocacia domiciliado no país para participar de processos judiciais.

Finalidade da Incorporação. A maioria listaria os objetivos gerais do motivo pelo qual sua empresa foi constituída, mas especificações adicionais podem ser feitas no estatuto social.

FAQ

  1. Quanto custa abrir uma empresa no Panamá? O custo para abrir uma empresa no Panamá pode variar, mas geralmente envolve taxas legais, de registro e administrativas. Estima-se que os custos iniciem a partir de alguns milhares de dólares, dependendo da complexidade da empresa e dos serviços legais necessários.
  2. Qual é o objetivo de criar o Canal do Panamá? O objetivo do Canal do Panamá é facilitar o comércio marítimo, permitindo a passagem de navios entre o Oceano Atlântico e o Oceano Pacífico sem a necessidade de navegar pelo longo e perigoso caminho ao redor do extremo sul da América do Sul.
  3. Qual é o regime do Panamá? O Panamá é uma república democrática presidencialista. O Presidente do Panamá é eleito por voto popular e serve como chefe de estado e governo.
  4. Qual país pertence Panamá? O Panamá é um país soberano na América Central, não pertence a nenhum outro país. Tornou-se completamente independente em 1903, após sua separação da Colômbia.
  5. Qual é a língua que se fala no Panamá? A língua oficial do Panamá é o espanhol. No entanto, muitos panamenhos são bilíngues, e o inglês também é comumente usado, especialmente em negócios e turismo.

Conclusão

Abrir uma empresa no Panamá pode ser um investimento considerável, mas oferece vantagens estratégicas devido à posição geográfica do país e seu regime fiscal favorável. O Canal do Panamá continua a ser uma infraestrutura crucial para o comércio global, fortalecendo a economia local e internacional. Compreender a estrutura política e linguística do Panamá é essencial para quem deseja fazer negócios ou residir no país.

Share

Add Your Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *