Residencia e Constituição de Empresas em Dubai

Origem de uma zona franca

Uma zona de livre comércio é definida por uma área geográfica dentro de um estado, embora também possa ser estabelecida ou localizada em qualquer parte do país.

A globalização de grandes empresas comerciais e manufatureiras lhes permite realocar linhas de produção inteiras em uma zona franca, o que sem dúvida representa uma grande economia em transporte e exportação para outros países. Da mesma forma, eles podem mover suas cadeias de produção para outro país e importar para essa zona franca o que produzem sem tarifas ou impostos.

Uma empresa, por exemplo, poderia fabricar seus produtos na China e importá-los com isenção de impostos e taxas para a zona franca e, em seguida, exportá-los de volta para fora da zona franca. Os lucros da empresa seriam assim isentos de impostos no país dessa zona franca.

Consequentemente, qualquer que seja a tributação do resto do território onde a empresa está sediada, se estiver situada em zona franca, será aplicada tributação e administração próprias.

As atividades comerciais mais frequentes são a conservação e armazenamento de mercadorias em armazéns (alugados), muitas vezes já disponibilizados pela própria zona franca, o acondicionamento e classificação dos produtos em pequenas quantidades ou embalagens individuais, bem como a fiscalização do mercadorias, centros de distribuição, carga e componentes.

Cada jurisdição é livre para definir a “zona franca” de acordo com seus próprios interesses. A Ilha Maurícia definiu a zona franca como todo o terreno onde uma empresa com a prerrogativa de zona franca está instalada. O investidor é livre para se instalar onde quiser dentro do território nacional e suas fábricas passam a ser minizonas francas controladas por despachantes aduaneiros.

Porém, na maioria das vezes, a licença de zona franca é concedida para reativar áreas despovoadas e exige o compromisso de criar empregos na região. Esse status, por outro lado, não é permanente, mas sim incentivos temporários para o candidato. Algumas regiões ainda estão na lista de espera, como a FZ (zona franca) na Geórgia.

áreas de livre comércio no mundo

As zonas de livre comércio mais bem-sucedidas e, acima de tudo, mais populares internacionalmente estão nos Emirados Árabes Unidos.

Zona de comércio livre de Ras al-Khaima – RAK (cerca de 80 km de Dubai)

Zona de Livre Comércio de Ajman (cerca de 40 km de Dubai)

Dubai (local com os maiores requisitos e custos iniciais)

Embora também existam em todo o mundo: Hong Kong, Cingapura, Índia, Brasil, França, Canadá, Costa Rica, Lituânia, China, Rússia, Geórgia, Marrocos, assim como em outros países em desenvolvimento.

Um conhecido porto livre é a área ao redor do Canal do Panamá.

Vantagens das zonas de livre comércio nos Emirados Árabes Unidos

Em um mundo repleto de regulamentações e alta carga tributária, ser empresário não é fácil. No início, você só sente compaixão e, em caso de sucesso, inveja. Fardos onerosos devem ser carregados para ser cada vez mais punido por seu sucesso. Felizmente, existem lugares no mundo onde isso não acontece. Principalmente nas zonas de livre comércio dos Emirados Árabes Unidos. Lá, você pode aproveitar uma série de vantagens com as quais muitos empresários sonham.

Isenções fiscais

  • Sem imposto corporativo
  • Sem imposto de renda com mudança de endereço
  • Sem tributação em câmbio de moeda
  • Repatriação autorizada de 100% do capital e lucros
  • Força de valores e uma moeda totalmente conversível
  • Taxa de inflação muito baixa
  • Sem impostos profissionais ou taxas semelhantes
  • Isenções administrativas
  • Em uma zona franca, uma empresa pode ser 100% pessoal
  • Ausência de barreiras e limitações comerciais
  • Processamento de licença fácil
  • Diretrizes simples de importação e exportação
  • Legislação trabalhista muito liberal
  • Poucas restrições à contratação de estrangeiros
  • Outras vantagens para empreendedores
  • Emissão de vistos de residência para membros da empresa e suas famílias
  • Autoridades favoráveis ​​a empresas com uma “política de portas abertas”
  • Vasta gama de licenças especiais
  • Infraestrutura de última geração e sistemas avançados de drenagem e águas residuais
  • Baixa eletricidade, água e gás a preços mais baixos
  • Conexões de telefone e internet de última geração
  • Excelentes bancos regionais e internacionais
  • Salários bem abaixo da média europeia ($ 200 para um trabalhador a tempo parcial)
  • Proximidade de toda a área do Golfo e dos mercados mundiais
  • Apartamentos, casas, hotéis, instalações esportivas

Emirados Árabes Unidos

Não existe apenas uma zona de mercado livre nos Emirados Árabes Unidos, mas várias. Convencidos do sucesso contínuo dessas zonas de livre comércio, quase cada um dos sete Emirados estabeleceu uma – ou mesmo várias – dessas zonas. Frequentemente, estes diferem em termos de indústria e setores de atividade, ou em termos de custos, licenças e isenções administrativas.

Só em Dubai existem mais de 25 zonas francas, entre as quais se destacam:

Zona Franca de Jebel Ali: a primeira zona franca de Dubai (1985), incluindo uma zona portuária franca

Metais e matérias-primas: atua no manuseio de matérias-primas

Dubai Media City: produções internacionais

Knowledge Village: filiais de universidades internacionais

Parque de ouro e diamantes: comércio de ouro e diamantes

Automóvel: para a indústria automotiva

Cidade Marítima de Dubai: serviços marítimos

Dubai Healthcare City: International Health Services

Dubai South City: Expansiva Nova Zona de Comércio Livre no Aeroporto Al Maktoum

Outras zonas francas estão localizadas em Ras al-Khaima (RAK), Ajman e Fujairah.

Cada área tem certas peculiaridades. Assim, por exemplo, quem muda de residência para os Emirados Árabes Unidos obtém seu visto de residente com muito mais facilidade se se estabelecer na zona franca de Ajmán do que em outros Emirados.

No caso de abertura de empresa em zona franca, não só a própria empresa ficará isenta de impostos, mas também o fundador e sua família poderão usufruir de uma residência isenta de impostos em qualquer parte dos Emirados.

É, portanto, de grande importância examinar cuidadosamente os tipos de licenças oferecidas nas diferentes zonas francas, uma vez que, dependendo do seu ramo de atividade, uma ou outra zona corresponderá a você.

Ras al-Khaimah: indústria, comércio, importação e exportação, serviços e mídia

Dubai (Zona Franca de Jebel Ali): comércio, indústria, serviços ou indústria doméstica

Ajmán (Zona Franca de Ajmán): comércio, comércio eletrônico e serviços

Dubai Sul: indústria, importação e exportação, comércio, negócios comerciais, consultoria e serviços

Neste artigo, vamos nos concentrar nas zonas de livre comércio de Ajman, Ras al-Khaima e Dubai South.

Embora Jebel Ali possa ser atraente em alguns aspectos, é muito complexo quando se trata de processamento e emissão de vistos de residência.

Como se registrar como freelancer nos Emirados Árabes Unidos e não pagar impostos

Para se registrar como trabalhador autônomo e assim obter um visto nos Emirados (em RAK), você terá que pagar cerca de AED 18.585 (€ 4.300 aproximadamente) no primeiro ano. A partir do segundo ano, são AED 8.935 (aproximadamente € 2.070) por ano.

Deverá apresentar, para além do passaporte e de um breve CV, referências de 2 (potenciais) clientes ou parceiros e um breve plano de negócios.

Para manter a validade do visto, você deve passar pelos Emirados Árabes Unidos pelo menos 1 dia a cada 180 dias, para que você não seja obrigado a morar lá. Também não é necessário alugar uma casa, então você tem muito menos despesas fixas do que com outras opções de residência. O visto é emitido por um período de 2 anos e pode ser prorrogado quantas vezes você quiser.

Claro, embora para não perder o visto você só precise passar 1 dia a cada 180 dias nos Emirados, lembre-se que o certificado fiscal só será obtido passando 183 dias ou mais por ano nos Emirados.

O plano freelance permite que você abra uma conta em um banco privado nos Emirados.

Ao contrário do que acontece com boa parte das empresas offshore, as faturas emitidas como freelancer nos Emirados são reconhecidas internacionalmente.

Você só tem a obrigação de manter contas com receitas acima de AED 400.000 (aproximadamente € 93.000), uma vez que em 2018 foi introduzida a obrigação de cobrar 5% de IVA a partir deste limite. Claro, você só terá que cobrar IVA sobre suas vendas dentro dos Emirados, não nas internacionais.

Como residente dos Emirados, você pode ser administrador e / ou parceiro de todas as empresas offshore que desejar, de modo que, em princípio, você não precisa faturar além do limite do IVA.

Você não é obrigado a apresentar uma declaração de renda ou pagar impostos.

Embora o visto de autônomo não seja projetado especialmente para investidores ou comerciantes, eles também podem usá-lo para evitar impostos sobre dividendos ou ganhos de capital.

Em qualquer caso, se não necessita de facturar aos seus clientes como trabalhador independente, em geral irá preferir com certeza instalar a sua empresa no Dubai (IFZA)

Share

Add Your Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *